Pular para o conteúdo principal

Copa do Mundo volta ao país do futebol


Kamila Dussanoski
          A Copa do Mundo FIFA de 2014 que será a vigésima edição, acontecera no Brasil. A competição esportiva será disputada entre 12 de junho e 13 de julho.
A expectativa de grande parte dos brasileiros era grande desde a Copa na África, mas a noticia se tornou oficial no dia 30 de outubro de 2010. O comunicado aconteceu durante uma reunião no comitê executivo da FIFA, na Suiça, onde estiveram presentes importantes autoridades.          
Essa será a segunda Copa realizada no país, ainda com magoas da primeira que aconteceu em 1950, já que em terras nacionais foi vista uma festa Uruguaia, calando um Maracanã lotado e fazendo milhares de brasileiros chorar. E em 2014, 64 anos depois, os fanáticos por esse esporte que é paixão nacional, terão a chance de mais uma vez verem de perto o maior evento esportivo do mundo.     
          No dia 30 de junho de 2011, aqueles que esperam ansiosamente a chegada de 2014 puderam sentir um gostinho de como vai ser, pois ocorreu o primeiro evento oficial, o sorteio das chaves das eliminatórias para o mundial, esta que contará com 166 seleções brigando por 32 vagas, o Brasil por ser anfitrião, já está automaticamente classificado e então não participará, e posso falar? UFA, hein Mano?!
          Mas, voltando ao assunto e como nem tudo são flores e é impossível agradar a todos, existem as dificuldades, além do futebol, em sediar um evento de tamanha importância e a também aqueles que não concordam. Pois parte dos gastos, que não serão poucos, será bancado pelos cofres da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), mas tem a outra parte que é os gastos com infraestrutura nas cidades onde acontecerão os jogos, e essa fica por conta do estado, ou seja, dinheiro público e é ai que entra a contestação por parte de alguns. De um lado o questionamento: ‘’porque não investir na saúde pública?’’ ‘’na educação’’ ou tantos outros meios, de outro lado os argumentos do tipo ‘’ com a Copa o número de empregos aumentará’’ ‘’
o fluxo turístico, promoverá a revitalização de áreas urbanas e garantirá investimentos de peso no país’’ e também tem os apaixonados. Mas essa é uma briga que vai longe.      
          As cidades da Copa serão Rio de Janeiro, São Paulo, Belo Horizonte, Porto Alegre, Curitiba, Brasília, Cuiabá, Manaus, Fortaleza, Salvador, Recife e Natal e para receber o mundial, o governo precisa investir, trabalhar e correr contra o tempo. Mais que construir estádios é preciso se preocupar com a segurança e condições que o país tem hoje e terá até 2014.         
          No inicio se falava não apenas em ter condições de organizar uma Copa, mas fazer dela a melhor de todas, e hoje, mesmo que façam de conta que não, a realidade é outra. As exigências da FIFA são rigorosas e nenhum estádio brasileiro tinha condições para isso, todos precisavam de obras, adaptação e até mesmo novas instalações. Hoje grande parte destas obras se encontram atrasadas, operários já fizeram muitas greves, exigem altos salários, violência e falta de segurança cada vez maior no país e falando em futebol? Ai nos falta um técnico e um time que volte a despertar no brasileiro o prazer em torcer por nossa seleção.     
          Sediar uma Copa é hospedar 32 equipes durante um mês e criar estrutura para a realização de 64 partidas que serão disputadas em todo o país.
A verdade é que faltam pouco mais de 550 dias para a Copa, e ela vai acontecer, só não sabemos em que condições e que resultado teremos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

RESUMO DA OBRA "VÁRIAS HISTÓRIAS", DE MACHADO DE ASSIS

Joaquim Maria Machado de Assis nasceu em 21 de junho de 1839, na cidade do Rio de Janeiro. Filho de família pobre e mulato, sofreu preconceito, e  perdeu a mãe na infância, sendo criado pela madrasta. Apesar das adversidades, conseguiu se instruir. Em 1856 entrou como aprendiz de tipógrafo na Tipografia Nacional. Posteriormente atuou como revisor, colaborou com várias revistas e jornais, e trabalhou como funcionário público. Foi um dos fundadores da Academia Brasileira de Letras. Algumas de suas obras são Memórias Póstumas de Brás Cubas, Quincas Borba, O Alienista, Helena, Dom Casmurro e Memorial de Aires. Faleceu em 29 de setembro de 1908.
Contexto Histórico
Várias histórias foi publicado em 1896, fazendo parte do período realista de Machado de Assis. Os contos da obra são profundamente marcados pela análise psicológica das personagens, além da erudição e intertextualidade que transparecem, como por ex., referências à música clássica, a clássicos da literatura, bem como a histórias bíb…

Lendas de Guarapuava

Por Elis Oliveira
Há quem acredite que Guarapuava é uma cidade permeada por lendas. Quem nunca ouviu alguém contar a sua versão para a lenda da Lagoa das Lágrimas, um dos lugares mais visitados da cidade, construída por volta de 1964 a 1968, ou a lenda da Capelinha do Degolado, muito conhecida pela região, que foi até tema de um programa de televisão no ano de 2010. Também tema lenda do Baile das Feias, sobre a passagem das tropas de Gumercindo pela nossa cidade, conta-se que no tempo dos maragatos da Revolução Federalista,Guarapuava,como outras cidades do Paraná, sofreram por fazer parte da rota das tropas que vinham do Rio Grande do Sul nessa época. Isso aconteceu por volta do ano de 1894 quando houve a fuga desses revoltosos. Segundo a lenda, a coluna de Juca Tigre e do Coronel Sancheseram era composta  de quinhentos homens que passaram por dentro da cidade para abstecerem-se de proventos, saqueando fazendas, levando animais e suprimentos e também cometendo grandes bárbaries amedron…

Pintores Paranaenses

A partir do século XIX, a pintura passou a se desenvolver no Paraná, incentivada por pintores como o imigrante norueguês Alfredo Andersen, e Guido Viaro, o segundo vindo da Itália. Ambos dedicaram-se ao ensino das artes visuais, além de pintarem suas obras inspiradas principalmente nas paisagens e temas do cotidiano paranaense. Responsáveis também pela formação de novas gerações de artistas no estado, como o exemplo de Lange Morretes, Gustavo Kopp e Theodoro de Bona, todos nascidos no Paraná.
Alfredo Andersen, apesar de norueguês, viveu muitos anos em Curitiba e Paranaguá, e ainda hoje é tipo como o pai da pintura paranaense. Foi ele o primeiro artista plástico atuar profissionalmente e a incentivar o ensino das artes puras no estado. Ele se envolveu de forma muito intensa com a sociedade paranaense da época em que viveu, registrando sua história e cultura. Rogério Dias, outro grande exemplo, sempre foi autodidata, sua trajetória artística tem sido uma soma de anos de paciente e inc…