Pular para o conteúdo principal

Belo

última captura antes do encontro.

Como uma eterna curiosa, procurando ângulos distintos para minhas capturas, invado o lado oculto do palco, numa apresentação musical prazerosa. Não havia percebido antes, mas acontecimentos alheios me atingem muito de perto. Entendi isso quando percebi, no breu dos fundos, pessoas em movimento, alegres.
De início, não dei conta das suas áureas. Apesar de curiosa, estava focada em minhas atividades. Quando, finalmente, consegui enquadrar as luzes e sombras que tanto quis, relaxei e passei a receber mais do ambiente em que me encontrava. Em meio de muitos fios, perto de uma escada média e rara luz, percebi a dança dos corpos e o som abafado de risadas. Apesar do escuro, pude sentir o sorriso na alma daquelas pessoas. Eram um par. Um par de espíritos aconchegados e familiarizados com os bastidores. Não tenho conhecimento quanto suas experiências musicais, mas percebi com prontidão que o casal estava acostumado com os caminhos e não só com as chegadas.
Com instrumentos leves nas mãos, imitavam os cantores que viam por uma fresta nas cortinas. Seus pés livres, mesmo com o pouco espaço, riam tanto quanto as curvas de seus lábios. A cumplicidade era tanta que me afetou, puxando-me os cantos da boca. 
Ao fim da música, tento sair de lá, discreta, para não atrapalhar o casal, mas tropeço em tamanha ternura e esbarro na moça, que não consegue esconder a gargalhada. Três risos se misturam no escuro e sapateiam para desatar-se. 
Concerto os meus passos e atravesso o pequeno corredor que me leva à frente do palco, e percebo que as mil almas presentes brilharam, juntas, menos que as duas com quem esbarrei. 

Texto e foto: Camila Germano Barp.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

RESUMO DA OBRA "VÁRIAS HISTÓRIAS", DE MACHADO DE ASSIS

Joaquim Maria Machado de Assis nasceu em 21 de junho de 1839, na cidade do Rio de Janeiro. Filho de família pobre e mulato, sofreu preconceito, e  perdeu a mãe na infância, sendo criado pela madrasta. Apesar das adversidades, conseguiu se instruir. Em 1856 entrou como aprendiz de tipógrafo na Tipografia Nacional. Posteriormente atuou como revisor, colaborou com várias revistas e jornais, e trabalhou como funcionário público. Foi um dos fundadores da Academia Brasileira de Letras. Algumas de suas obras são Memórias Póstumas de Brás Cubas, Quincas Borba, O Alienista, Helena, Dom Casmurro e Memorial de Aires. Faleceu em 29 de setembro de 1908.
Contexto Histórico
Várias histórias foi publicado em 1896, fazendo parte do período realista de Machado de Assis. Os contos da obra são profundamente marcados pela análise psicológica das personagens, além da erudição e intertextualidade que transparecem, como por ex., referências à música clássica, a clássicos da literatura, bem como a histórias bíb…

Lendas de Guarapuava

Por Elis Oliveira
Há quem acredite que Guarapuava é uma cidade permeada por lendas. Quem nunca ouviu alguém contar a sua versão para a lenda da Lagoa das Lágrimas, um dos lugares mais visitados da cidade, construída por volta de 1964 a 1968, ou a lenda da Capelinha do Degolado, muito conhecida pela região, que foi até tema de um programa de televisão no ano de 2010. Também tema lenda do Baile das Feias, sobre a passagem das tropas de Gumercindo pela nossa cidade, conta-se que no tempo dos maragatos da Revolução Federalista,Guarapuava,como outras cidades do Paraná, sofreram por fazer parte da rota das tropas que vinham do Rio Grande do Sul nessa época. Isso aconteceu por volta do ano de 1894 quando houve a fuga desses revoltosos. Segundo a lenda, a coluna de Juca Tigre e do Coronel Sancheseram era composta  de quinhentos homens que passaram por dentro da cidade para abstecerem-se de proventos, saqueando fazendas, levando animais e suprimentos e também cometendo grandes bárbaries amedron…

Pintores Paranaenses

A partir do século XIX, a pintura passou a se desenvolver no Paraná, incentivada por pintores como o imigrante norueguês Alfredo Andersen, e Guido Viaro, o segundo vindo da Itália. Ambos dedicaram-se ao ensino das artes visuais, além de pintarem suas obras inspiradas principalmente nas paisagens e temas do cotidiano paranaense. Responsáveis também pela formação de novas gerações de artistas no estado, como o exemplo de Lange Morretes, Gustavo Kopp e Theodoro de Bona, todos nascidos no Paraná.
Alfredo Andersen, apesar de norueguês, viveu muitos anos em Curitiba e Paranaguá, e ainda hoje é tipo como o pai da pintura paranaense. Foi ele o primeiro artista plástico atuar profissionalmente e a incentivar o ensino das artes puras no estado. Ele se envolveu de forma muito intensa com a sociedade paranaense da época em que viveu, registrando sua história e cultura. Rogério Dias, outro grande exemplo, sempre foi autodidata, sua trajetória artística tem sido uma soma de anos de paciente e inc…