Pular para o conteúdo principal

JOGO DE SORTE OU AZAR?

     
      Milhões de pessoas jogam diariamente na loteria em busca de um único sonho: o de se tornar milionário e resolver todos os seus problemas. Mas, isso depende muito da sorte de cada um. Algumas apostas, junto com uma boa dose de sorte, podem lhe ajudar a pagar todas as suas contas e se sustentar por anos sem ter que trabalhar. É claro que as chances de isso acontecer são minúsculas, mas isso não impede que milhões de pessoas joguem na loteria todos os dias.
      Em termos de probabilidade, há mais chances de você ser atingido por um raio (uma em 3 milhões), ser atacado por um tubarão (uma em 11,5 milhões) ou morrer por causa de uma picada de abelha (uma em 6,1 milhões). Mas e porque mesmo assim os brasileiros gostam tanto de apostar?
      Ideia atrativa que leva milhares de indivíduos as lotéricas é a do “gaste pouco e ganhe muito”. Nosso prazer de viver não se baseia apenas em nossa situação atual, mas também em nosso futuro, no que nossa situação pode se tornar.
      “As pessoas que jogam na loteria, há muitos anos, se tornam dependentes do acaso para realizar seus sonhos materiais. É como se não dependessem delas para conseguir as coisas. Jogam porque acham que é mais fácil ganhar e assim conquistar seus objetivos”, diz a psicóloga Maria Terezinha.
      Maria também adverte que, em alguns casos, o jogo pode se tornar uma obsessão, porque a pessoa quer ganhar de qualquer jeito e, não contando com a sorte, não consegue obter nenhum resultado.
      Para os jogadores inveterados, apostar a sorte em jogos de azar sob a perspectiva de enriquecer sem esforço é excitante e ajuda a fugir, muitas vezes, da realidade de uma vida econômica desfavorável.
      Um dos motivos que conduzem apostadores ao vício do jogo é a crise financeira, com o alto índice de desemprego no país e a dificuldade de viver com os baixos salários, pessoas apelam para os jogos na esperança de ganhar um dinheiro extra. 
      “Jogo na loteria há 25 anos. Nesse tempo nunca ganhei nada, mas eu continuo jogando porque se eu não jogar, eu não vou ganhar nunca e acho que uma hora eu ganho. Jogo na Mega Sena e compro a Telesena sempre. Se eu ganhar, os meus problemas vão se resolver e eu ainda vou poder ajudar meus amigos e familiares”, afirma Maria de Souza.
      Silvia Oliveira, apostadora há 23 anos, compra a Tele Sena e até hoje nunca ganhou nada e nem foi sorteada para participar do programa do Sílvio Santos (que tem como tradição levar compradores da Tele Sena para participarem do programa).  "Também gosto de jogar na Loto Mania, mas também nunca ganhei. Acho que seu eu ganhar o dinheiro não vou ter mais problemas porque hoje em dia tudo é dinheiro, mas eu também não ia saber o que fazer com todo aquele dinheiro. Aí precisa ver...”, admira-se ela.
      Mas para alguns apostadores como a jovem Priscila Marcante é preciso ter o pé no chão. Ela explica que joga na Lotomania com frequência e tem consciência de que o dinheiro do prêmio não vai resolver seus problemas. “No máximo, vai me proporcionar pagar minhas contas e satisfazer minhas necessidades materiais, mas acredito que dinheiro não traz felicidade”, conclui.
      O fato é que inúmeros brasileiros, cada um com sua opinião e ponto de vista a respeito dos jogos de azar, sabendo de todos esses argumentos acima expostos, continuam apostando e gastando juntos, todos os dias, milhares de reais em diversas alternativas de apostas, todos com aquela velha esperança e perseverança de nosso povo de que, algum dia, a sorte irá remar a seu favor.

Por: Diana Pretto
     
     

     
     



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

RESUMO DA OBRA "VÁRIAS HISTÓRIAS", DE MACHADO DE ASSIS

Joaquim Maria Machado de Assis nasceu em 21 de junho de 1839, na cidade do Rio de Janeiro. Filho de família pobre e mulato, sofreu preconceito, e  perdeu a mãe na infância, sendo criado pela madrasta. Apesar das adversidades, conseguiu se instruir. Em 1856 entrou como aprendiz de tipógrafo na Tipografia Nacional. Posteriormente atuou como revisor, colaborou com várias revistas e jornais, e trabalhou como funcionário público. Foi um dos fundadores da Academia Brasileira de Letras. Algumas de suas obras são Memórias Póstumas de Brás Cubas, Quincas Borba, O Alienista, Helena, Dom Casmurro e Memorial de Aires. Faleceu em 29 de setembro de 1908.
Contexto Histórico
Várias histórias foi publicado em 1896, fazendo parte do período realista de Machado de Assis. Os contos da obra são profundamente marcados pela análise psicológica das personagens, além da erudição e intertextualidade que transparecem, como por ex., referências à música clássica, a clássicos da literatura, bem como a histórias bíb…

Lendas de Guarapuava

Por Elis Oliveira
Há quem acredite que Guarapuava é uma cidade permeada por lendas. Quem nunca ouviu alguém contar a sua versão para a lenda da Lagoa das Lágrimas, um dos lugares mais visitados da cidade, construída por volta de 1964 a 1968, ou a lenda da Capelinha do Degolado, muito conhecida pela região, que foi até tema de um programa de televisão no ano de 2010. Também tema lenda do Baile das Feias, sobre a passagem das tropas de Gumercindo pela nossa cidade, conta-se que no tempo dos maragatos da Revolução Federalista,Guarapuava,como outras cidades do Paraná, sofreram por fazer parte da rota das tropas que vinham do Rio Grande do Sul nessa época. Isso aconteceu por volta do ano de 1894 quando houve a fuga desses revoltosos. Segundo a lenda, a coluna de Juca Tigre e do Coronel Sancheseram era composta  de quinhentos homens que passaram por dentro da cidade para abstecerem-se de proventos, saqueando fazendas, levando animais e suprimentos e também cometendo grandes bárbaries amedron…

Pintores Paranaenses

A partir do século XIX, a pintura passou a se desenvolver no Paraná, incentivada por pintores como o imigrante norueguês Alfredo Andersen, e Guido Viaro, o segundo vindo da Itália. Ambos dedicaram-se ao ensino das artes visuais, além de pintarem suas obras inspiradas principalmente nas paisagens e temas do cotidiano paranaense. Responsáveis também pela formação de novas gerações de artistas no estado, como o exemplo de Lange Morretes, Gustavo Kopp e Theodoro de Bona, todos nascidos no Paraná.
Alfredo Andersen, apesar de norueguês, viveu muitos anos em Curitiba e Paranaguá, e ainda hoje é tipo como o pai da pintura paranaense. Foi ele o primeiro artista plástico atuar profissionalmente e a incentivar o ensino das artes puras no estado. Ele se envolveu de forma muito intensa com a sociedade paranaense da época em que viveu, registrando sua história e cultura. Rogério Dias, outro grande exemplo, sempre foi autodidata, sua trajetória artística tem sido uma soma de anos de paciente e inc…