Pular para o conteúdo principal

Do interior para o mundo



A grande maioria dos meninos tem ou já tiveram o sonho de ser um jogador de futebol. O esporte faz parte da cultura do nosso país e, desde pequenas, as crianças sonham com o que ele pode proporcionar.

João Paulo Kuspioski, goleiro sub-20 do Flamengo, Tiago Machowski, goleiro sub- 20 do Grêmio, e Alexandre Gralak, zagueiro do Caxias, são três representantes da cidade de Irati, localizada há 105 Km de Guarapuava, que tiveram a oportunidade de realizar seus sonhos dentro das quatro linhas.

Machowski defende a categoria de base do Grêmio há 6 anos, já se sagrou campeão da 11ª Copa Internacional do Mediterrâneo, com a camisa amarela da seleção brasileira sub-18. Atuou pelo profissional no campeonato Gauchão e foi convocado para a Seleção brasileira Sub-20, entre outras atuações. Atualmente, Tiago teve mais uma grande oportunidade, foi escolhido para disputar a principal competição da América Latina, a Libertadores.
Alexandre Gralak

Alexandre Gralak, também defende um time gaúcho, Caxias, atuando como zagueiro. Pelo time, disputou o Campeonato Gaúcho e o Campeonato Brasileiro da série C. Teve passagens pelo Avaí, de Santa Catarina; pelo time gaúcho, Brasil de Farroupilha; Arapongas, time que carrega o nome da cidade e, já saiu do Brasil, atuou no Admira Wacker, na Áustria.

O amor pelo esporte já vem de família, para os amantes de futebol, o sobrenome do Alexandre não é estranho. O popular e lembrado zagueiro Gralak, natural da cidade de Rebouças, localizada nas proximidades de Irati, é tio do jovem goleiro do Caxias. Conhecido pelo chute forte, Gralak se destacou nos anos de 1990, defendeu clubes como o Corinthians, Coritiba, Paraná e Boardeux, time francês. O tio serviu como espelho para Alexandre, “Tive um exemplo na minha família, meu tio foi jogador e teve seu sucesso por onde passou. O exemplo dele serviu para me motivar e ter a certeza de que ser jogador de futebol é o que eu sempre quis ser”, conta o atleta.

Diferente de Tiago e Alexandre, que se deslocaram para o Rio Grande do Sul, o atleta João Paulo deixou Irati para enfrentar o calor da Cidade Maravilhosa. Defendeu o time Serra Macaense, no Campeonato Carioca da série B e na OPG, Otavio Pinto Guimarães. Após a oportunidade e o grande desempenho no Serra Macaense, o centro de treinamentos do Flamengo, também localizado no Rio de Janeiro, abriu as portas para João.
João Paulo Kuspiosz
Hoje, aos 19 anos, o goleiro já completou um ano e quatro meses no Clube. Disputou o Campeonato Brasileiro sub-20, campeonato onde reúne todos os times grandes do país e, atualmente, está disputando o Carioca da série A, sub -20. Mas, João não quer parar por aí, “Meus planos para o futuro é construir uma carreira sólida, buscando sempre o melhor para mim e sempre tentando buscar objetivos de maiores expressões”, afirma o atleta.

Os três atletas já tiveram passagem pelo Iraty Sporte Club, time da cidade de Irati, que, atualmente, encontra-se desativado. O Azulão, assim conhecido pela sua torcida, não foi sede só do João, do Machowski e do Alexandre, mas também teve estrelas como Mauricio Ramos, ex- jogador do Palmeiras e atual zagueiro do time Al Sharjah, localizado nos Emirados Árabes. O atual contratado pelo Corinthians, Bruno Corsini, também já pisou nos gramados do Estádio Emilio Gomes, em Irati. Assim como o Wendell, jogador do Grêmio, Paulo Miranda, atleta do São Paulo e muitos outros tiveram experiência de jogar na pacata cidade do interior que, hoje, desperta saudade nos atletas iratienses, “Já morei em vários lugares e até fora do país, mas sempre tem um gosto especial voltar pra minha terra”, diz Alexandre.

Para aqueles que ainda possuem a vontade de ser um jogador de futebol, João Paulo afirma, “Nunca desista dos seus sonhos, sempre mantenha os pés no chão, mas nunca desista, pois o que te leva à frente são seus sonhos. Acredite em você, acredite no seu potencial e lute sempre, pois só com muito empenho e trabalho você irá conseguir chegar onde você almeja ”.


Texto: Amanda Bastos Maciel

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

RESUMO DA OBRA "VÁRIAS HISTÓRIAS", DE MACHADO DE ASSIS

Joaquim Maria Machado de Assis nasceu em 21 de junho de 1839, na cidade do Rio de Janeiro. Filho de família pobre e mulato, sofreu preconceito, e  perdeu a mãe na infância, sendo criado pela madrasta. Apesar das adversidades, conseguiu se instruir. Em 1856 entrou como aprendiz de tipógrafo na Tipografia Nacional. Posteriormente atuou como revisor, colaborou com várias revistas e jornais, e trabalhou como funcionário público. Foi um dos fundadores da Academia Brasileira de Letras. Algumas de suas obras são Memórias Póstumas de Brás Cubas, Quincas Borba, O Alienista, Helena, Dom Casmurro e Memorial de Aires. Faleceu em 29 de setembro de 1908.
Contexto Histórico
Várias histórias foi publicado em 1896, fazendo parte do período realista de Machado de Assis. Os contos da obra são profundamente marcados pela análise psicológica das personagens, além da erudição e intertextualidade que transparecem, como por ex., referências à música clássica, a clássicos da literatura, bem como a histórias bíb…

Lendas de Guarapuava

Por Elis Oliveira
Há quem acredite que Guarapuava é uma cidade permeada por lendas. Quem nunca ouviu alguém contar a sua versão para a lenda da Lagoa das Lágrimas, um dos lugares mais visitados da cidade, construída por volta de 1964 a 1968, ou a lenda da Capelinha do Degolado, muito conhecida pela região, que foi até tema de um programa de televisão no ano de 2010. Também tema lenda do Baile das Feias, sobre a passagem das tropas de Gumercindo pela nossa cidade, conta-se que no tempo dos maragatos da Revolução Federalista,Guarapuava,como outras cidades do Paraná, sofreram por fazer parte da rota das tropas que vinham do Rio Grande do Sul nessa época. Isso aconteceu por volta do ano de 1894 quando houve a fuga desses revoltosos. Segundo a lenda, a coluna de Juca Tigre e do Coronel Sancheseram era composta  de quinhentos homens que passaram por dentro da cidade para abstecerem-se de proventos, saqueando fazendas, levando animais e suprimentos e também cometendo grandes bárbaries amedron…

Pintores Paranaenses

A partir do século XIX, a pintura passou a se desenvolver no Paraná, incentivada por pintores como o imigrante norueguês Alfredo Andersen, e Guido Viaro, o segundo vindo da Itália. Ambos dedicaram-se ao ensino das artes visuais, além de pintarem suas obras inspiradas principalmente nas paisagens e temas do cotidiano paranaense. Responsáveis também pela formação de novas gerações de artistas no estado, como o exemplo de Lange Morretes, Gustavo Kopp e Theodoro de Bona, todos nascidos no Paraná.
Alfredo Andersen, apesar de norueguês, viveu muitos anos em Curitiba e Paranaguá, e ainda hoje é tipo como o pai da pintura paranaense. Foi ele o primeiro artista plástico atuar profissionalmente e a incentivar o ensino das artes puras no estado. Ele se envolveu de forma muito intensa com a sociedade paranaense da época em que viveu, registrando sua história e cultura. Rogério Dias, outro grande exemplo, sempre foi autodidata, sua trajetória artística tem sido uma soma de anos de paciente e inc…