Pular para o conteúdo principal

Crônica: Pelo Bom Senso

Plena de minhas faculdades mentais e do exercício da minha profissão, decidi por escrever um manifesto em nome de todos os trabalhadores da minha famigerada classe. A quem interesse, subentenda-se, os consumidores de nossos serviços, essa pequena lista também é válida, salvo o motivo de que melhorem certos comportamentos.

Caras clientes dos salões de beleza.

I – As atrasadas
Quando imprimimos em nossos cartões “atendimento com hora marcada”, não estamos apenas preenchendo espaços em aberto. Nossa agenda é como uma fila de dominós. Se o primeiro da fila é empurrado, todos os outros caem com ele. Ao se atrasar para um horário PREVIAMENTE marcado, consequentemente atrasará todos os demais, e pior ainda, retardará o fim do nosso dia de trabalho.
II – As mexedoras compulsivas
Estar com uma mexedora compulsiva é como tentar colocar um polvo dentro de uma sacola plástica, daquelas bem pequenas, metendo o molusco lá dentro de forma que nenhum tentáculo fique para fora. Não queremos que fiquem estáticas, apenas que não dificultem nosso trabalho.
III – As Marias-das-Dores
Sinceramente, nenhum desconhecido (ou até nós, os conhecidos), quer ouvir sobre a sua cirurgia de varizes ou sobre a catarata que te recaiu semana passada. Queremos um ambiente alegre e agradável, não nos importamos em ouvir problemas, de modo algum, somos ótimos ouvintes. Mas se você insiste nos assuntos médicos em geral, o conselho é que escolha ficar em silêncio.
IV – As não marcadas
O pavor de todo profissional da beleza. É chato chegar sem marcar horário, e mais chato ainda insistir em ser atendida. Tenha certeza de que não queremos perder sua fidelidade, mas às vezes, simplesmente não existe um horário disponível. Apesar, é claro, de muitas vezes fazermos mágica, quando dizemos que não tem horário, por favor, levem a sério.
 V – As sovinas
Quando falamos que apenas um tubo de tinta não será suficiente para cobrir todo o seu cabelo, tenha uma fé absurda nessas palavras. Não fazemos parte de um complô com todas as marcas de colorações existentes. Apenas queremos um trabalho bem feito para vê-las bonitas e satisfeitas, e ocasionalmente, isso exigirá mais que um tubo de tinta.
VI – As eternamente insatisfeitas
Mudar é bom, mas não toda semana. E isso só mostra o quão preocupados somos com sua beleza. O excesso de químicas maltrata o cabelo, principalmente quando feitas em curtos períodos de tempo. Quando negamos a você aquelas luzes dois dias depois de você ter feito uma progressiva, é porque não queremos que seu cabelo seja severamente cortado pela química. Sejam pacientes e reflitam qual o motivo dessa compulsão por mudanças.
VII – As sabem tudo
Questionar cada movimento do profissional não é bem quisto. E isso inclui palpitar na mistura de colorações e nos tempos de reação. Nós sabemos o que estamos fazendo, temos anos de prática e experiência. Se você não confia em nenhum cabeleireiro, aconselhamos que faça o cabelo em casa. Após isso a esperamos de braços abertos e prontos para corrigir tudo que deu errado.
VIII – As oníricas
Não adianta levar a foto da Gisele Bündchen, esperando sair do estabelecimento com 1,80cm e casada com o Tom Brady. Fomos agraciados com cabelos únicos, que se estruturam das mais diferentes maneiras. Raramente seu cabelo ficará exatamente igual ao daquela famosa. Por isso pedimos que deem mais atenção ao formato do seu rosto, para que use um corte de cabelo que valorize seus melhores pontos. E aposentem a foto da Gisele.
 IX – As indecisas
Escolher Chanel, Long Bob e Joãozinho, tudo isso no caminho entre lavatório e cadeira, nos deixa um pouco receosos sobre o que fazer. Lembrem-se veemente de que depois de cortados, não poderemos colar os cabelos de volta. Salvo com a técnica de mega hair.
X – As fofoqueiras
Na verdade, não temos reclamações contra as fofoqueiras. Salvo de quando demoram para nos atualizar.



Texto: Amanda Crissi


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

RESUMO DA OBRA "VÁRIAS HISTÓRIAS", DE MACHADO DE ASSIS

Joaquim Maria Machado de Assis nasceu em 21 de junho de 1839, na cidade do Rio de Janeiro. Filho de família pobre e mulato, sofreu preconceito, e  perdeu a mãe na infância, sendo criado pela madrasta. Apesar das adversidades, conseguiu se instruir. Em 1856 entrou como aprendiz de tipógrafo na Tipografia Nacional. Posteriormente atuou como revisor, colaborou com várias revistas e jornais, e trabalhou como funcionário público. Foi um dos fundadores da Academia Brasileira de Letras. Algumas de suas obras são Memórias Póstumas de Brás Cubas, Quincas Borba, O Alienista, Helena, Dom Casmurro e Memorial de Aires. Faleceu em 29 de setembro de 1908.
Contexto Histórico
Várias histórias foi publicado em 1896, fazendo parte do período realista de Machado de Assis. Os contos da obra são profundamente marcados pela análise psicológica das personagens, além da erudição e intertextualidade que transparecem, como por ex., referências à música clássica, a clássicos da literatura, bem como a histórias bíb…

Lendas de Guarapuava

Por Elis Oliveira
Há quem acredite que Guarapuava é uma cidade permeada por lendas. Quem nunca ouviu alguém contar a sua versão para a lenda da Lagoa das Lágrimas, um dos lugares mais visitados da cidade, construída por volta de 1964 a 1968, ou a lenda da Capelinha do Degolado, muito conhecida pela região, que foi até tema de um programa de televisão no ano de 2010. Também tema lenda do Baile das Feias, sobre a passagem das tropas de Gumercindo pela nossa cidade, conta-se que no tempo dos maragatos da Revolução Federalista,Guarapuava,como outras cidades do Paraná, sofreram por fazer parte da rota das tropas que vinham do Rio Grande do Sul nessa época. Isso aconteceu por volta do ano de 1894 quando houve a fuga desses revoltosos. Segundo a lenda, a coluna de Juca Tigre e do Coronel Sancheseram era composta  de quinhentos homens que passaram por dentro da cidade para abstecerem-se de proventos, saqueando fazendas, levando animais e suprimentos e também cometendo grandes bárbaries amedron…

RESUMO DA OBRA "PONCIÁ VICÊNCIO", DE CONCEIÇÃO EVARISTO

A escritora Conceição Evaristo nasceu em Belo Horizonte, em 1946, numa favela no alto da Avenida Afonso Pena, como era uma área valorizada da capital, a população que lá vivia foi removida para outros bairros da cidade e da área metropolitana, para que novos prédios e ruas fossem construídos na região. Conceição carrega nas memórias acontecimentos e pessoas do seu tempo de infância, algumas vezes, participam de suas narrativas. Dona Joana, sua mãe, teve nove filhos, era doméstica e lavava roupas para fora, mesmo assim, encontrava tempo para lhes contar histórias que também fazem parte do acervo de Conceição Evaristo, que se diz nascida cercada delas. Enquanto estudava, a autora trabalhou de doméstica na capital mineira. Em 1971, formou-se professora no antigo curso Normal e depois se mudou para o Rio de Janeiro, onde foi aprovada em um concurso municipal para magistério e, posteriormente, no curso de Letras na Universidade Federal daquele Estado. Conceição Evaristo é uma das principa…