Pular para o conteúdo principal

Você já perdeu o controle?



Se não, tudo bem, se sim, espero que você não tenha ultrapassado limites selvagens. Fica a dica de nome alternativo para uma continuação do filme Relatos Selvagens, produzido em 2014 e rodado na Argentina e na Espanha. Dirigido por Damián Szifron (Tempo de Valentes) e estrelado por Ricardo Darín, a produção é digna de Oscar, ao menos de indicação, já que perdeu para o filme polonês Ida na edição de 2015. No entanto, o longa ganhou atenção internacional e outros prêmios, como o de Melhor Filme Estrangeiro, no Grande Prêmio do Cinema Brasileiro 2015 e o Prêmio Goya de Melhor Filme Estrangeiro em Espanhol.
Distribuído pela Warner Bros. Pictures, conquistou uma bilheteria de 475.902 ingressos aqui no Brasil. No cinema Belas Artes, localizado no bairro da Consolação em São Paulo, Relatos Selvagens começou a ser exibido no dia 23 de outubro de 2014 e continuou na programação por mais de um ano. Um pouco antes de fazer aniversário, em 18 de outubro de 2015, o público alcançado foi de 37.508 espectadores só no Belas Artes.
A produção chegou ainda a bater o recorde nacional argentino, marcando 3 milhões de bilheteria, mas foi superada logo mesmo em 2015 por O Clã, de Pablo Trapero, que foi visto por 1,5 milhão de pessoas em dez dias de exibição.
Na Inglaterra o longa ganhou um alerta nas sessões por conta da primeira sequência do filme que poderia ser assimilada com a tragédia do avião da Germanwings, resultante da morte de 150 pessoas no dia 24 de março de 2015. A história conta sobre o comissário de bordo Gabriel, que tem problemas psicológicos e na tragédia real as investigações apontaram para o copiloto Andreas Lubitz, que fez tratamento psiquiátrico por tendências suicidas.
Composto por seis episódios com diferentes personagens e protagonistas, os relatos têm um tema em comum, a perda de controle de um indivíduo mediante diferentes situações cotidianas ou não, já que os dois primeiros episódios trabalham mais com uma ideia de vingança. Os demais sim trazem casos da rotina e o acúmulo das consequências. A frase “qualquer um pode perder o controle” é exemplificada com relatos desde uma garçonete até um pai de família rica.

Cartaz do filme
 

O primeiro episódio do filme, o mais curto, tem um final que nos deixa ansiosos para os próximos relatos, pela grandiosidade e engenhosidade da “selvageria”, terminando com a imagem congelada sensacional de um casal de idosos e deixando qualquer um congelado também.
Em seguida vem a sequência dos créditos do filme com o nome dos atores ao lado de imagens de animais selvagens e os nomes dos envolvidos na produção com imagens de bandos de animais, deixando claro a intenção de comparação.
O papel de Darín se desenrola no meio da produção, fazendo mais uma crítica social na verdade, tema também dos filmes dirigidos pelo ator. Outras sequências que merecem atenção é a dos dois motoristas fazendo ultrapassagem e a última do casamento, com uma noiva excelente interpretada pela atriz Erica Rivas.
Justificando, a história dos motoristas nos prende pela ansiedade e apreensão criados pela narrativa lenta que vai deixando o ar mais pesado conforme os personagens vão interagindo, até chegarem no extremo do comportamento humano.
Já a história do casamento traz uma reviravolta inesperada depois dos desdobramentos. O ingrediente que influencia a perda de controle é claro que é o amor.
A montagem em contos de Szifron pode não agradar aqueles que preferem uma história ou várias que sucedem simultaneamente em um filme, mas o diretor soube trabalhar com os relatos colocando um de ponto mais alto no início (do avião), um de ótima sequência no meio (da ultrapassagem) e o melhor no fim (do casamento), que termina até de forma otimista depois de várias fatalidades.
Relatos Selvagens possuiu uma ironia por trás das atitudes representadas para justificar seu gênero comédia, o que nos faz pensar: ainda somos primatas?
Ele poderia muito bem virar uma série de televisão com diferentes casos de perda de controle que poderiam ser desenvolvidos em meio a uma trama maior, com vários episódios, ou talvez até mesmo com um episódio para cada conto, separadamente.
            O desafio ficaria no ingresso de uma produção argentina em meio ao domínio norte-americano na indústria de seriados, considerando como isso já ocorre na indústria cinematográfica. Porém, a solução pode estar com a alta dos populares serviços de streaming. Pega aí Netflix.

 
Trailer legendado do filme

Texto: Marcelo Junior.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

RESUMO DA OBRA "VÁRIAS HISTÓRIAS", DE MACHADO DE ASSIS

Joaquim Maria Machado de Assis nasceu em 21 de junho de 1839, na cidade do Rio de Janeiro. Filho de família pobre e mulato, sofreu preconceito, e  perdeu a mãe na infância, sendo criado pela madrasta. Apesar das adversidades, conseguiu se instruir. Em 1856 entrou como aprendiz de tipógrafo na Tipografia Nacional. Posteriormente atuou como revisor, colaborou com várias revistas e jornais, e trabalhou como funcionário público. Foi um dos fundadores da Academia Brasileira de Letras. Algumas de suas obras são Memórias Póstumas de Brás Cubas, Quincas Borba, O Alienista, Helena, Dom Casmurro e Memorial de Aires. Faleceu em 29 de setembro de 1908.
Contexto Histórico
Várias histórias foi publicado em 1896, fazendo parte do período realista de Machado de Assis. Os contos da obra são profundamente marcados pela análise psicológica das personagens, além da erudição e intertextualidade que transparecem, como por ex., referências à música clássica, a clássicos da literatura, bem como a histórias bíb…

Lendas de Guarapuava

Por Elis Oliveira
Há quem acredite que Guarapuava é uma cidade permeada por lendas. Quem nunca ouviu alguém contar a sua versão para a lenda da Lagoa das Lágrimas, um dos lugares mais visitados da cidade, construída por volta de 1964 a 1968, ou a lenda da Capelinha do Degolado, muito conhecida pela região, que foi até tema de um programa de televisão no ano de 2010. Também tema lenda do Baile das Feias, sobre a passagem das tropas de Gumercindo pela nossa cidade, conta-se que no tempo dos maragatos da Revolução Federalista,Guarapuava,como outras cidades do Paraná, sofreram por fazer parte da rota das tropas que vinham do Rio Grande do Sul nessa época. Isso aconteceu por volta do ano de 1894 quando houve a fuga desses revoltosos. Segundo a lenda, a coluna de Juca Tigre e do Coronel Sancheseram era composta  de quinhentos homens que passaram por dentro da cidade para abstecerem-se de proventos, saqueando fazendas, levando animais e suprimentos e também cometendo grandes bárbaries amedron…

Quem tem medo da Serpente?

Reza a lenda que debaixo do solo Guarapuavano existe uma enorme serpente cujo corpo começa com a cabeça na Catedral e termina com sua cauda na Lagoa das Lágrimas.
A estória começou a ser contada em meados do século XX, por mães e professores que queriam meter medo nas criancinhas que cabulavam as aulas na escola que ficava entre a Catedral e a Lagoa (onde hoje é o Fórum) as fazendo ficar desmotivadas a continuar faltando à escola.
Essa lenda pode até não ter convencido as crianças da época, mas não se pode negar que hoje é uma das mais conhecidas da cidade, e certamente faz parte do lado cultural histórico de Guarapuava.
Como toda lenda que se preze, a lenda da Serpente da Lagoa das Lágrimas correu o tempo de boca em boca, aumentando um ponto aqui, diminuindo um ali, até que se criaram diversas versões dessa estória.
Há quem diga que sua cabeça estaria embaixo da Catedral, seu corpo sob o cemitério (que ficava entre a Catedral e a Lagoa) e seu corpo terminava com a cauda na Lagoa.…