Pular para o conteúdo principal

Guarapuava em frente



Em 2010, Guarapuava tinha uma população de 167.328 mil habitantes, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Atualmente, com população ainda maior (estimada em 178.126 mil habitantes no ano passado), o município se prepara para receber dois centros de compras.
O primeiro a ser anunciado foi o Guarapuava Garden Shopping, a ser desenvolvido e comercializado pelo grupo Tenco. A área construída na rua XV de Novembro, no bairro Morro Alto, será de 41.186 m², com um total de 149 lojas e quatro salas de cinema. A etapa de terraplanagem foi iniciada em junho de 2015 e a inauguração que estava prevista para este primeiro semestre de 2016 ainda não tem uma nova data, pois o projeto está passando por alterações.
       Posteriormente, o Shopping Cidade dos Lagos também foi apresentado. O planejamento e a comercialização são da Directa Shopping Centers, com o empreendimento do grupo Cilla de Guarapuava e do grupo Rotesma de Chapecó. A área construída no futuro bairro planejado de mesmo nome será de 48.000 m², com 148 lojas, incluindo as de alimentação, mais um hipermercado e quatro salas de cinema. O hipermercado será uma extensão do Dal Pozzo, atacadista que atende no bairro Vila Bela. A inauguração da primeira fase, com o hipermercado, está prevista para dezembro deste ano.
          Ambos os centros estão sendo construídos na zona norte do município, valorizando essa região e os bairros existentes. Ao redor dos shoppings se esperam novos empreendimentos e novos valores do mercado imobiliário. A configuração de centro e zona sul como regiões mais caras pode ser alterada com essa distribuição dos centros de compras. Mesmo sem considerar questões de valorização, mas olhando para questões de deslocamento, os moradores de bairros tradicionais como Santa Cruz e Trianon terão que cruzar a cidade para chegar aos centros. “Para mim é inviável, ficou muito longe. Vou apenas aos finais de semana”, contou o lojista Igor Martin, que mora e trabalha no Santa Cruz. Já o estudante Luis Eduardo Bussolotto, que mora próximo ao Parque do Lago, comentou que para ele não faz diferença. “Eu tenho como ir. Penso que vai ficar um comércio distribuído entre o centro da cidade e as grandes lojas que virão com esses shoppings”, disse.
          O fato dos shoppings serem anunciados em um momento de instabilidade financeira no país e com aumento da taxa de desemprego, permite ofertar um grande número de vagas de trabalho, tanto para as construções, quanto para as lojas e o funcionamento dos shoppings finalizados.
          A chegada destes centros altera mais do que a economia, o mercado de trabalho e a geografia da cidade. Os guarapuavanos se preparam para mudanças na rotina e nas escolhas de entretenimento. Uma delas é sobre a opção cinematográfica da cidade, atualmente um monopólio do Cine XV. O mesmo vai operar nas salas do Cidade dos Lagos, mas o proprietário Joel Horbux pretende manter o estabelecimento do centro. “É outro conceito, um novo cinema, um padrão maior e mais atual. A gente começa o projeto agora em agosto”, falou sobre o cinema do shopping. Nas salas do Guarapuava Garden Shopping ainda não foi divulgado qual rede irá operar.

Vindo de uma cidade grande com quatro centros de compras, percebo a diferença entre o modo de vida que encontrei aqui em Guarapuava e os costumes já rotineiros de contar com passeios aos shoppings da cidade que vim. Com as construções aqui comecei a pensar em quanto tempo os hábitos dos guarapuavanos serão alterados? Quantos irão escolher um passeio no shopping ao invés de um passeio no Parque do Lago? Quantos deixarão o comércio do centro para comprar nos shoppings? Quantos passarão a frequentar regularmente as futuras praças de alimentação? Eles optaram por refeições saudáveis ou pelas novas opções de comida rápida? Se prenderão mais ao Shopping Cidade dos Lagos? Ou ao Guarapuava Garden Shopping?

Texto: Marcelo Junior.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

RESUMO DA OBRA "VÁRIAS HISTÓRIAS", DE MACHADO DE ASSIS

Joaquim Maria Machado de Assis nasceu em 21 de junho de 1839, na cidade do Rio de Janeiro. Filho de família pobre e mulato, sofreu preconceito, e  perdeu a mãe na infância, sendo criado pela madrasta. Apesar das adversidades, conseguiu se instruir. Em 1856 entrou como aprendiz de tipógrafo na Tipografia Nacional. Posteriormente atuou como revisor, colaborou com várias revistas e jornais, e trabalhou como funcionário público. Foi um dos fundadores da Academia Brasileira de Letras. Algumas de suas obras são Memórias Póstumas de Brás Cubas, Quincas Borba, O Alienista, Helena, Dom Casmurro e Memorial de Aires. Faleceu em 29 de setembro de 1908.
Contexto Histórico
Várias histórias foi publicado em 1896, fazendo parte do período realista de Machado de Assis. Os contos da obra são profundamente marcados pela análise psicológica das personagens, além da erudição e intertextualidade que transparecem, como por ex., referências à música clássica, a clássicos da literatura, bem como a histórias bíb…

Lendas de Guarapuava

Por Elis Oliveira
Há quem acredite que Guarapuava é uma cidade permeada por lendas. Quem nunca ouviu alguém contar a sua versão para a lenda da Lagoa das Lágrimas, um dos lugares mais visitados da cidade, construída por volta de 1964 a 1968, ou a lenda da Capelinha do Degolado, muito conhecida pela região, que foi até tema de um programa de televisão no ano de 2010. Também tema lenda do Baile das Feias, sobre a passagem das tropas de Gumercindo pela nossa cidade, conta-se que no tempo dos maragatos da Revolução Federalista,Guarapuava,como outras cidades do Paraná, sofreram por fazer parte da rota das tropas que vinham do Rio Grande do Sul nessa época. Isso aconteceu por volta do ano de 1894 quando houve a fuga desses revoltosos. Segundo a lenda, a coluna de Juca Tigre e do Coronel Sancheseram era composta  de quinhentos homens que passaram por dentro da cidade para abstecerem-se de proventos, saqueando fazendas, levando animais e suprimentos e também cometendo grandes bárbaries amedron…

Pintores Paranaenses

A partir do século XIX, a pintura passou a se desenvolver no Paraná, incentivada por pintores como o imigrante norueguês Alfredo Andersen, e Guido Viaro, o segundo vindo da Itália. Ambos dedicaram-se ao ensino das artes visuais, além de pintarem suas obras inspiradas principalmente nas paisagens e temas do cotidiano paranaense. Responsáveis também pela formação de novas gerações de artistas no estado, como o exemplo de Lange Morretes, Gustavo Kopp e Theodoro de Bona, todos nascidos no Paraná.
Alfredo Andersen, apesar de norueguês, viveu muitos anos em Curitiba e Paranaguá, e ainda hoje é tipo como o pai da pintura paranaense. Foi ele o primeiro artista plástico atuar profissionalmente e a incentivar o ensino das artes puras no estado. Ele se envolveu de forma muito intensa com a sociedade paranaense da época em que viveu, registrando sua história e cultura. Rogério Dias, outro grande exemplo, sempre foi autodidata, sua trajetória artística tem sido uma soma de anos de paciente e inc…