Pular para o conteúdo principal

Crônica - Trivialidade moderninha

  “Não sei o que ela quer”, dizia meu amigo em um suspiro atribulado. Pobre alma, acostumado a uma vida boemia foi arrebatado por um relacionamento sério, e agora sofria as mazelas das concepções atuais de namoro.
  Na realidade, nem eu sabia o que ela queria. “Ela não quer que eu deixe ela com ciúmes”. Tal frase ecoou na minha cabeça de forma retórica, afinal me negava a aceitar a condição de que, apesar de serem namorados, ele poderia ser responsável por um sentimento que cresce em outra pessoa.
Para ser sincera nunca entendi as reais definições de um relacionamento sério. Sempre acreditei que as pessoas se relacionam de forma errada e absurda. O que observo constantemente são indivíduos que se anulam e acabam sendo sugados por um apêndice homogêneo, ou o tão afamado “nós”. Agarro-me ao conceito de que quando o “nós” impera, o individuo perde a noção do “eu”. Inúmeras vezes ouvi de amigos frases como “nós estamos muito cansados para sair” ou “nós não achamos uma boa ideia”.
  Não acho saudável que namorados estejam sempre juntos, principalmente no tempo que eu chamo “hora dos Brothers”. Se alguém é incapaz de aceitar o fato de que uma saída com os amigos não significa uma apunhalada nas costas, acredito que tal pessoa não entende o conceito de um relacionamento. Para sermos razoáveis, esqueçamos que um relacionamento se sustenta na paixão, no amor ou no desejo. A meu ver, tudo deve ser fundado pelo respeito, quando se tem esse sentimento pelo semelhante significa que você não faria nada que traísse essa confiança que lhe é atribuída.
  Pensar sobre tal assunto instala um vórtex em minha massa cerebral. Muitas vezes creio que os indivíduos se relacionam por razões erradas e de forma errada. Tenho dúvidas sobre por que as pessoas mudam quando iniciam um namoro, acho tedioso entrelaçar dois universos inteiros em uma massa homogênea chamada “nós”. Como se apaixonar diariamente pelas pequenas peculiaridades quando se passa o tempo tentando moldar o outro a nosso gosto. Por que as pessoas acreditam que alguém pode ser responsável pelo sentimento alheio. Diferentemente do que vocês ouviram de Antoine de Saint-Exupéry, tu não te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas. Responsáveis por seus sentimentos são os que se deixam cativar.
  Enfim, acredito que ao resolver incluir outra pessoa em sua vida, é isso que deve acontecer, uma inclusão. Cada qual com a sua vida particular, com seus momentos privados, compartilhando seu universo subjetivo com alguém que ame e respeite. Como diria outro amigo meu “alguém para estar junto e separado, alguém que te encontre no meio termo”.
  Não levem como verdade minha opinião sobre tais assuntos, nunca estive em um relacionamento duradouro. Todos sempre acabaram muito cedo por todos os pontos que citei acima. 


Amanda Crissi

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

RESUMO DA OBRA "VÁRIAS HISTÓRIAS", DE MACHADO DE ASSIS

Joaquim Maria Machado de Assis nasceu em 21 de junho de 1839, na cidade do Rio de Janeiro. Filho de família pobre e mulato, sofreu preconceito, e  perdeu a mãe na infância, sendo criado pela madrasta. Apesar das adversidades, conseguiu se instruir. Em 1856 entrou como aprendiz de tipógrafo na Tipografia Nacional. Posteriormente atuou como revisor, colaborou com várias revistas e jornais, e trabalhou como funcionário público. Foi um dos fundadores da Academia Brasileira de Letras. Algumas de suas obras são Memórias Póstumas de Brás Cubas, Quincas Borba, O Alienista, Helena, Dom Casmurro e Memorial de Aires. Faleceu em 29 de setembro de 1908.
Contexto Histórico
Várias histórias foi publicado em 1896, fazendo parte do período realista de Machado de Assis. Os contos da obra são profundamente marcados pela análise psicológica das personagens, além da erudição e intertextualidade que transparecem, como por ex., referências à música clássica, a clássicos da literatura, bem como a histórias bíb…

Pintores Paranaenses

A partir do século XIX, a pintura passou a se desenvolver no Paraná, incentivada por pintores como o imigrante norueguês Alfredo Andersen, e Guido Viaro, o segundo vindo da Itália. Ambos dedicaram-se ao ensino das artes visuais, além de pintarem suas obras inspiradas principalmente nas paisagens e temas do cotidiano paranaense. Responsáveis também pela formação de novas gerações de artistas no estado, como o exemplo de Lange Morretes, Gustavo Kopp e Theodoro de Bona, todos nascidos no Paraná.
Alfredo Andersen, apesar de norueguês, viveu muitos anos em Curitiba e Paranaguá, e ainda hoje é tipo como o pai da pintura paranaense. Foi ele o primeiro artista plástico atuar profissionalmente e a incentivar o ensino das artes puras no estado. Ele se envolveu de forma muito intensa com a sociedade paranaense da época em que viveu, registrando sua história e cultura. Rogério Dias, outro grande exemplo, sempre foi autodidata, sua trajetória artística tem sido uma soma de anos de paciente e inc…

Quem tem medo da Serpente?

Reza a lenda que debaixo do solo Guarapuavano existe uma enorme serpente cujo corpo começa com a cabeça na Catedral e termina com sua cauda na Lagoa das Lágrimas.
A estória começou a ser contada em meados do século XX, por mães e professores que queriam meter medo nas criancinhas que cabulavam as aulas na escola que ficava entre a Catedral e a Lagoa (onde hoje é o Fórum) as fazendo ficar desmotivadas a continuar faltando à escola.
Essa lenda pode até não ter convencido as crianças da época, mas não se pode negar que hoje é uma das mais conhecidas da cidade, e certamente faz parte do lado cultural histórico de Guarapuava.
Como toda lenda que se preze, a lenda da Serpente da Lagoa das Lágrimas correu o tempo de boca em boca, aumentando um ponto aqui, diminuindo um ali, até que se criaram diversas versões dessa estória.
Há quem diga que sua cabeça estaria embaixo da Catedral, seu corpo sob o cemitério (que ficava entre a Catedral e a Lagoa) e seu corpo terminava com a cauda na Lagoa.…