Pular para o conteúdo principal

Crônica - Desculpem o transtorno, mas eu preciso falar sobre a Síria

Foto: Reuters

“ONU suspende ajuda humanitária na Síria”. Deparei-me com essa notícia ainda pela manhã, me deu um nó na garganta. Oficialmente ninguém mais se importava com a Síria.
“Aviões russos bombardeiam pelo alto. Milícias iraquianas e libanesas com apoio de iranianos avançam em solo. Um grupo variado de rebeldes sírios respaldados por Estados Unidos, Turquia, Arábia Saudita e Catar tenta conter essas milícias”, dizia uma reportagem no jornal The Washington Post.

Mas a Síria não importa.

Os protestos começaram em 2011 e, no início, opositores ao governo guerrilhavam contra o exército do presidente Bashar al-Assad em busca da democracia. Desde então mais de 11 milhões de pessoas foram obrigadas a deixar suas casas, enquanto 250 mil jamais deixariam a Síria. Elas foram o efeito colateral de tantos anos de guerra.

Mas a Síria não importa.

Adolescentes foram executados em praça pública por picharem mensagens de oposição ao governo. Civis foram abatidos pela força nacional que deveria, por dever, defende-los. Vidas e mais vidas foram tratadas como números, como consequências.

Mas a Síria não importa.

Aproveitando-se do caos o Estado Islâmico avançou sobre a Síria, conquistando territórios, expandindo sua organização. Além disso, a Frente al-Nusra, formada por jihadistas ligados à Al-Qaeda, também aproveitou a guerra Síria para reforçar seus interesses. Os Estados Unidos não ficaram atrás, a participação deles vem do céu, com seus drones e ataques aéreos em uma prerrogativa de “enfraquecer” o Estado Islâmico. A Rússia também se une a festa alvejando terroristas que estão na Síria. Veja você leitor, que ataques aéreos ainda não são extremamente eficazes e certeiros, eles não contam com um sensor que identifica e atinge apenas terroristas. Já são 250 mil pessoas que jamais deixarão a Síria.

Mas a Síria não importa.

Quem sofre não é o presidente, não é os Estados Unidos, não é a Rússia, não é o Estado Islâmico. Quem está sendo dizimado são pessoas como eu e você, caro leitor. São pais, mães, filhos e irmãos. São pessoas com histórias, sentimentos, lembranças e sonhos. Não são números, não são consequências. Somos eu e você.

Mas a Síria não importa.

Não importa para os governantes, não importa para outros países, não é pauta das Organizações das Nações Unidas. Por que você deveria se preocupar não é mesmo? Existem coisas maiores acontecendo na sua vida. Enquanto escrevia esse texto ouvia pessoas próximas comentando assuntos fúteis e banais. A última festa, a próxima festa. O sapato que era um problema, afinal, não combinava com a roupa. Todas as manifestações em redes sociais em busca de validação social. Senti-me enojada com o comportamento humano. Porém não me tome como prepotente, em 2011 a Síria também não me interessava, estava preocupada demais conhecendo o maior número de cidades possíveis em um mochilão que durou cerca de um mês. Nessa viagem conheci a mim mesma, entendi certas coisas que precisava, sobre mim e sobre o universo. E agora a Síria me importava.

Mas a Síria não importa.

Esquecemos que estamos no mesmo mundo como unidade. Somos 7 bilhões de indivíduos com histórias, lembranças, sentimentos e sonhos. Sua vida não vale mais que a minha, a minha não vale mais que a sua. A vida dos Sírios definitivamente não vale menos que nenhuma outra.

Mas a Síria não importa.

As 500 mil pessoas dizimadas em Ruanda não importam, assim como os 6 milhões de judeus que foram exterminados na Segunda Guerra Mundial. Sempre foram números, números ensinados nas aulas de História, números sem histórias, sem lembranças, sem sentimentos e sem sonhos. E agora, que o genocídio está alocado na Síria, também somos confrontados com numerais. Outra parte da nossa história mundial escrita a sangue, mas já estamos tão acostumados a isso não é mesmo? A banalidade do mal, como diria Hannah Arendt.

Sabe por que a Síria não importa?

Não vivemos lá, não estamos morando em escombros esperando o próximo bombardeio, não estamos fugindo do nosso país ou sendo massacrados em via pública. Não. Nossos problemas são outros. Nossos problemas são a aparência, o status social, a vida alheia (digo isso no quesito fofoca, afinal é aí que a vida alheia interessa). A empatia está morta, cada umbigo está ocupado demais com seu próprio mundo. Os temas relevantes são a separação daquele casal famoso de Hollywood ou uma carta ridícula escrita por um pseudo colunista. Isso importa.

A Síria não importa.

Por mais uma vez me questionei por que os seres humanos fazem isso aos seus semelhantes, não obtive uma resposta, como não obtive nos últimos 4 anos, quando comecei a remoer tudo isso na minha cabeça. Não adianta a Síria não vai importar. Nenhum conflito vai importar, nada que não esteja dentro do nosso mundinho insignificante vai afetar nossa maneira de viver. Quem sabe após você ler esse texto, siga para a sua balada periódica, celebrando cada centavo do dinheiro dos seus pais ou do seu próprio trabalho, afinal, você ainda pode voltar para casa e dormir tranquilamente no aconchego da sua cama.


Porque a Síria não importa.


Amanda Crissi

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

RESUMO DA OBRA "VÁRIAS HISTÓRIAS", DE MACHADO DE ASSIS

Joaquim Maria Machado de Assis nasceu em 21 de junho de 1839, na cidade do Rio de Janeiro. Filho de família pobre e mulato, sofreu preconceito, e  perdeu a mãe na infância, sendo criado pela madrasta. Apesar das adversidades, conseguiu se instruir. Em 1856 entrou como aprendiz de tipógrafo na Tipografia Nacional. Posteriormente atuou como revisor, colaborou com várias revistas e jornais, e trabalhou como funcionário público. Foi um dos fundadores da Academia Brasileira de Letras. Algumas de suas obras são Memórias Póstumas de Brás Cubas, Quincas Borba, O Alienista, Helena, Dom Casmurro e Memorial de Aires. Faleceu em 29 de setembro de 1908.
Contexto Histórico
Várias histórias foi publicado em 1896, fazendo parte do período realista de Machado de Assis. Os contos da obra são profundamente marcados pela análise psicológica das personagens, além da erudição e intertextualidade que transparecem, como por ex., referências à música clássica, a clássicos da literatura, bem como a histórias bíb…

Lendas de Guarapuava

Por Elis Oliveira
Há quem acredite que Guarapuava é uma cidade permeada por lendas. Quem nunca ouviu alguém contar a sua versão para a lenda da Lagoa das Lágrimas, um dos lugares mais visitados da cidade, construída por volta de 1964 a 1968, ou a lenda da Capelinha do Degolado, muito conhecida pela região, que foi até tema de um programa de televisão no ano de 2010. Também tema lenda do Baile das Feias, sobre a passagem das tropas de Gumercindo pela nossa cidade, conta-se que no tempo dos maragatos da Revolução Federalista,Guarapuava,como outras cidades do Paraná, sofreram por fazer parte da rota das tropas que vinham do Rio Grande do Sul nessa época. Isso aconteceu por volta do ano de 1894 quando houve a fuga desses revoltosos. Segundo a lenda, a coluna de Juca Tigre e do Coronel Sancheseram era composta  de quinhentos homens que passaram por dentro da cidade para abstecerem-se de proventos, saqueando fazendas, levando animais e suprimentos e também cometendo grandes bárbaries amedron…

Quem tem medo da Serpente?

Reza a lenda que debaixo do solo Guarapuavano existe uma enorme serpente cujo corpo começa com a cabeça na Catedral e termina com sua cauda na Lagoa das Lágrimas.
A estória começou a ser contada em meados do século XX, por mães e professores que queriam meter medo nas criancinhas que cabulavam as aulas na escola que ficava entre a Catedral e a Lagoa (onde hoje é o Fórum) as fazendo ficar desmotivadas a continuar faltando à escola.
Essa lenda pode até não ter convencido as crianças da época, mas não se pode negar que hoje é uma das mais conhecidas da cidade, e certamente faz parte do lado cultural histórico de Guarapuava.
Como toda lenda que se preze, a lenda da Serpente da Lagoa das Lágrimas correu o tempo de boca em boca, aumentando um ponto aqui, diminuindo um ali, até que se criaram diversas versões dessa estória.
Há quem diga que sua cabeça estaria embaixo da Catedral, seu corpo sob o cemitério (que ficava entre a Catedral e a Lagoa) e seu corpo terminava com a cauda na Lagoa.…