Pular para o conteúdo principal

Crônica - O respeito efêmero



  Ri. Muito. Era tudo que podia fazer.

  Havia acordado a pouco e checava as notificações da madrugada, que inundavam meu celular. Uma delas realmente me chamou atenção, minha prima, uma das melhores pessoas que já conheci, me falava sobre uma festa que achava desrespeitosa. Ela, cristã praticante há boa parte dos seus 25 anos, sentia-se ofendida pela próxima festa que ocorreria na cidade. Decidi saber do que se tratava.

  “Não escolhi, mas estou esperando”. Deparei-me com um evento no Facebook onde pessoas buscavam pares para seus amigos, senti certa ironia nas publicações que li, mas em geral achei tudo muito engraçado. Ela não achou. Explicou-me que tal tema era chacota de um movimento sério na comunidade cristã. “Eu escolhi esperar”. Senti empatia.

  Particularmente não sou devota de uma religião específica. Tento praticar o hinduísmo. É difícil, trabalho diário, constante. Porém gosto de acreditar. Saúdo Rá, o deus egípcio do Sol, todas as manhãs. Gosto de ouvir tempestades porque acredito que Thor está batendo seu martelo de felicidade ou desgosto. Acredito no poder dos Xamãs e na sua espiritualidade. Também creio nas orações diárias que minha avó, católica apostólica romana, faz por mim e acredito ferozmente que o deus dela me protege de alguma maneira. Não vou nem entrar na parte sobre alienígenas ou sobre a nossa consciência cósmica porque posso encher um livro de teorias sobre isso.

  Aprendi, não há muitos anos atrás, a respeitar as escolhas alheias. Porém, não ache que isso vai me impedir de levantar e defender meus ideais sempre que necessário. E esse é o ponto, são meus ideais, eu posso ser maluca por acreditar neles, mas ninguém pode me impedir de acreditar. As pessoas podem achar insano acreditar em alienígenas, já eu, tenho certeza de que fui abduzida em algum momento da minha vida.

  Dito isso, quero passar a uma observação, por que usar a crença -e não apenas a religiosa- alheia como motivo de chacota?

  Não me refiro especificamente ao episódio da festa, mas sim ao comportamento mundial que impede os seres humanos de seguirem felizes com a sua ‘pira’ de vida sem interferir na ‘pira’ alheia. Por que nós temos que criticar tudo que não faz parte da nossa seleta de verdades universais? Não podemos simplesmente ter uma epifania universal de que até hoje ninguém está totalmente certo, nem totalmente errado? Acredito que é preciso sempre estar em busca do meio termo.

  A contra ponto, as redes sociais são inundadas de publicações onde o respeito a tudo e a todos prevalece. Assim como os grupos que exigem respeito para suas crenças, mas utilizam o desrespeito a outras para firmar sua reivindicação. Como isso é possível?

  Aprendemos mais quando ouvimos sobre as experiências alheias e sobre as motivações que levam a tais crenças. É como a metáfora da caixa de bombom, você compra a caixa, mas não necessariamente gosta de todos os bombons que estão nela.


  A questão é, a sua caixa é melhor que a do outro? 


Amanda Crissi

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

RESUMO DA OBRA "VÁRIAS HISTÓRIAS", DE MACHADO DE ASSIS

Joaquim Maria Machado de Assis nasceu em 21 de junho de 1839, na cidade do Rio de Janeiro. Filho de família pobre e mulato, sofreu preconceito, e  perdeu a mãe na infância, sendo criado pela madrasta. Apesar das adversidades, conseguiu se instruir. Em 1856 entrou como aprendiz de tipógrafo na Tipografia Nacional. Posteriormente atuou como revisor, colaborou com várias revistas e jornais, e trabalhou como funcionário público. Foi um dos fundadores da Academia Brasileira de Letras. Algumas de suas obras são Memórias Póstumas de Brás Cubas, Quincas Borba, O Alienista, Helena, Dom Casmurro e Memorial de Aires. Faleceu em 29 de setembro de 1908.
Contexto Histórico
Várias histórias foi publicado em 1896, fazendo parte do período realista de Machado de Assis. Os contos da obra são profundamente marcados pela análise psicológica das personagens, além da erudição e intertextualidade que transparecem, como por ex., referências à música clássica, a clássicos da literatura, bem como a histórias bíb…

Lendas de Guarapuava

Por Elis Oliveira
Há quem acredite que Guarapuava é uma cidade permeada por lendas. Quem nunca ouviu alguém contar a sua versão para a lenda da Lagoa das Lágrimas, um dos lugares mais visitados da cidade, construída por volta de 1964 a 1968, ou a lenda da Capelinha do Degolado, muito conhecida pela região, que foi até tema de um programa de televisão no ano de 2010. Também tema lenda do Baile das Feias, sobre a passagem das tropas de Gumercindo pela nossa cidade, conta-se que no tempo dos maragatos da Revolução Federalista,Guarapuava,como outras cidades do Paraná, sofreram por fazer parte da rota das tropas que vinham do Rio Grande do Sul nessa época. Isso aconteceu por volta do ano de 1894 quando houve a fuga desses revoltosos. Segundo a lenda, a coluna de Juca Tigre e do Coronel Sancheseram era composta  de quinhentos homens que passaram por dentro da cidade para abstecerem-se de proventos, saqueando fazendas, levando animais e suprimentos e também cometendo grandes bárbaries amedron…

Pintores Paranaenses

A partir do século XIX, a pintura passou a se desenvolver no Paraná, incentivada por pintores como o imigrante norueguês Alfredo Andersen, e Guido Viaro, o segundo vindo da Itália. Ambos dedicaram-se ao ensino das artes visuais, além de pintarem suas obras inspiradas principalmente nas paisagens e temas do cotidiano paranaense. Responsáveis também pela formação de novas gerações de artistas no estado, como o exemplo de Lange Morretes, Gustavo Kopp e Theodoro de Bona, todos nascidos no Paraná.
Alfredo Andersen, apesar de norueguês, viveu muitos anos em Curitiba e Paranaguá, e ainda hoje é tipo como o pai da pintura paranaense. Foi ele o primeiro artista plástico atuar profissionalmente e a incentivar o ensino das artes puras no estado. Ele se envolveu de forma muito intensa com a sociedade paranaense da época em que viveu, registrando sua história e cultura. Rogério Dias, outro grande exemplo, sempre foi autodidata, sua trajetória artística tem sido uma soma de anos de paciente e inc…