Pular para o conteúdo principal

Desculpa Gregório, mas eu também preciso falar

Não necessariamente que eu precise, mas quando li seu texto Gregório, também quis expor a minha vida (quase) romântica.               
Não conheci ele no Jazz, até porque os dois não combinam nenhum pouco. Conheci ele na academia. Sim. Lá estava eu suando como se fosse personagem de um filme e estivesse caminhando no deserto à três horas, implorando por água. Com os cabelos presos em um coque e todos aqueles fios grudados de tanto suor. Com o lápis de olho todo borrado, fazendo um cosplay de panda. E ele em pé em um dos aparelhos, fazendo algum exercício de braços, com a bundinha (desculpa a palavra) empinada, camisa cinza e calça de moletom preta. Eu tinha de chamar atenção e o máximo que conseguir falar foi “nossa você parece o carinha do bonde da stronda”. Ok talvez não fosse o meu melhor. Mas eu, ele e seus amigos rimos e depois ele odiou a comparação.                 
Passamos algumas tardes falando sobre Ets, medos e nossas piores vergonhas. Isso mesmo TARDES, porque poderíamos estar nos melhores assuntos que dez horas da noite eu recebia um vácuo enorme, e na manhã seguinte um “desculpa, eu dormi”. Nosso primeiro encontro não poderia ser mais romântico: um campeonato de fisiculturismo. Sim, nosso amigo estava competindo e o máximo que fizemos juntos foi tirar uma foto e ouvir nossos amigos gritando “OLHA O CASALZINHO OWNT”. É, talvez tenha sido bem vergonhoso pelo fato de todos olharem para nós.           
 Começamos a namorar quando ele tinha 19 e eu 18. E graças a ele eu não cheguei em casa mais bêbada das festas, ou pelo menos quando fiquei, ele me colocou pra dormir em segurança. Tentamos assistir séries, ou filmes, mas aguentávamos até os 6 minutos quando um dos dois dormia e em seguida o outro. Só aguentávamos se fosse animação. Inclusive nosso primeiro filme no cinema foi o bom dinossauro, do qual eu chorei e ele achou “nossa muito forte pra criança né?”. Rimos. Tentamos imitar as receitas que víamos na internet, mas sempre ficava uma gororoba. Relativamente boa. Comíamos felizes. Não teve essa de escrever séries, filmes, músicas ou curtas. Ou viajar o mundo. Mas sempre tentávamos economizar “no mês que vem”. Esse mês nunca chegou porque preferíamos comer uma pizza no fim de semana. Das 15 músicas que escuto, 13 são de rapper americanos que ele me apresentou e duas são de corno manso para os dias que estou triste.          
Vivemos um período de aprendizado, de sonhos, e de alegrias. Mas um dia vimos que não era pra ser, não agora. Hoje somos amigos e ainda assim o amor mora em nós, de outra forma. Amor é muito mais que entradas e despedidas, Gregório, e era isso que eu precisava falar.


Texto de: Daiane Cristina

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

RESUMO DA OBRA "VÁRIAS HISTÓRIAS", DE MACHADO DE ASSIS

Joaquim Maria Machado de Assis nasceu em 21 de junho de 1839, na cidade do Rio de Janeiro. Filho de família pobre e mulato, sofreu preconceito, e  perdeu a mãe na infância, sendo criado pela madrasta. Apesar das adversidades, conseguiu se instruir. Em 1856 entrou como aprendiz de tipógrafo na Tipografia Nacional. Posteriormente atuou como revisor, colaborou com várias revistas e jornais, e trabalhou como funcionário público. Foi um dos fundadores da Academia Brasileira de Letras. Algumas de suas obras são Memórias Póstumas de Brás Cubas, Quincas Borba, O Alienista, Helena, Dom Casmurro e Memorial de Aires. Faleceu em 29 de setembro de 1908.
Contexto Histórico
Várias histórias foi publicado em 1896, fazendo parte do período realista de Machado de Assis. Os contos da obra são profundamente marcados pela análise psicológica das personagens, além da erudição e intertextualidade que transparecem, como por ex., referências à música clássica, a clássicos da literatura, bem como a histórias bíb…

RESUMO DA OBRA "PONCIÁ VICÊNCIO", DE CONCEIÇÃO EVARISTO

A escritora Conceição Evaristo nasceu em Belo Horizonte, em 1946, numa favela no alto da Avenida Afonso Pena, como era uma área valorizada da capital, a população que lá vivia foi removida para outros bairros da cidade e da área metropolitana, para que novos prédios e ruas fossem construídos na região. Conceição carrega nas memórias acontecimentos e pessoas do seu tempo de infância, algumas vezes, participam de suas narrativas. Dona Joana, sua mãe, teve nove filhos, era doméstica e lavava roupas para fora, mesmo assim, encontrava tempo para lhes contar histórias que também fazem parte do acervo de Conceição Evaristo, que se diz nascida cercada delas. Enquanto estudava, a autora trabalhou de doméstica na capital mineira. Em 1971, formou-se professora no antigo curso Normal e depois se mudou para o Rio de Janeiro, onde foi aprovada em um concurso municipal para magistério e, posteriormente, no curso de Letras na Universidade Federal daquele Estado. Conceição Evaristo é uma das principa…

Lendas de Guarapuava

Por Elis Oliveira
Há quem acredite que Guarapuava é uma cidade permeada por lendas. Quem nunca ouviu alguém contar a sua versão para a lenda da Lagoa das Lágrimas, um dos lugares mais visitados da cidade, construída por volta de 1964 a 1968, ou a lenda da Capelinha do Degolado, muito conhecida pela região, que foi até tema de um programa de televisão no ano de 2010. Também tema lenda do Baile das Feias, sobre a passagem das tropas de Gumercindo pela nossa cidade, conta-se que no tempo dos maragatos da Revolução Federalista,Guarapuava,como outras cidades do Paraná, sofreram por fazer parte da rota das tropas que vinham do Rio Grande do Sul nessa época. Isso aconteceu por volta do ano de 1894 quando houve a fuga desses revoltosos. Segundo a lenda, a coluna de Juca Tigre e do Coronel Sancheseram era composta  de quinhentos homens que passaram por dentro da cidade para abstecerem-se de proventos, saqueando fazendas, levando animais e suprimentos e também cometendo grandes bárbaries amedron…