Pular para o conteúdo principal

NHÔ TERÊNCIO

Semana passada contei aqui no blog a lenda da Serpente da Lagoa.
Uma das minhas fontes, foi Murilo Walter Teixeira, personagem ilustre de Guarapuava.
Ele me cedeu uma crônica de sua autoria sobre a lenda, que foi publicada no livro “O Alferes e seu Cavalo Gateado”.

Resolvi compartilhar com vocês!


Domingo passado, encontrei-me com Nhô Terêncio em frente do Hospital São Vicente de Paula. Logo fui indagando a razão daquela postura carrancuda e inquieta e acrescentei se havia algum doente da família ali hospitalizado. Imediatamente contestou.

Não, não meu filho. Estou preocupado com a serpente aí da lagoa. Ouvi falar que a Prefeitura está ultimando projeto para esvaziá-la, limpar os entulhos e construir alguma ilhota bem no meio. Vai dar um rebuliço danado. Irão aviventá-la e os resultados serão funestos e imprevisíveis. Esta serpente que em lenda já azucrinou meio mundo com suas diabruras, quando dizem ter engolido algumas criancinhas, ter feito um estrago danado na Catedral, razão da mudança do campanário, e outras coisas mais. Agora podem alegar e talvez imputá-la como causa de alguma discórdia política. Veja aquele edifício em construção. A caixa d’água foi colocada ao lado para equilibrar o prédio numa eventual vibração. É um magnífico trabalho de engenharia, frente à possível movimentação do solo.
Não desejando demonstrar minha estupefação, comecei a tossir, tapeando com a movimentação dos pés e mãos como desculpa em esquentá-los frente ao friozinho reinante.
Ele percebeu minha atitude e meu ceticismo, e logo me convidou para encarar os fatos.
Vamos até a beirada da lagoa.
Cuidadoso, ele não cortou caminho pela grama, mas, seguiu a via pavimentada.
Veja as borbulhas que saem do meio do lago. Perceba que é um local circunscrito. É o lugar mais profundo. Vou prová-lo mais uma coisa. Deixe-me achar uma pedra.
Nhô Terêncio saiu a procura pela redondeza, só encontrando um pedaço de tijolo na construção do prédio. Demorou um pouco. Acompanhei seu deslocamento, mas também continuei a perceber as bolinhas formadas na superfície do lago. Deduzi serem gases que afloram frente ao movimento de algum peixe, e até mesmo da decomposição de resíduos orgânicos. Aproximou-se e disse: “Vou jogar esta pedra bem naquele local. Vamos ver se consigo acertar”.
Atingiu bem nas bolhas. E aí acontece um fato surpreendente. Ocorre uma movimentação da água, borbulhas gigantes se formam, respingos espalhados ao longe e uma barulheira esquisita, e acreditem, aquele pedaço de tijolo retornou próximo a nós, tal qual um bumerangue. Vi claramente quando caiu na grama perto de um cedro, zunindo no meu ouvido.
Até estou vendo o leitor com riso sardônico e amorfo, achando que perdeu tempo na leitura deste causo. Mas lenda que é lenda, para um bairrista incorrigível, tem que ter encenação.
No entanto, se desejar melhores esclarecimentos, ou mesmo apreciar um acontecimento semelhante é só procurar Nhô Terêncio e talvez algum motorista dos táxis ali estacionados, que certamente confirmarão. Outro indivíduo que pode dar pormenores deste e de outros fatos surpreendentes acontecidos nas cercanias da lagoa, é o Demétrio, que por longos anos foi enfermeiro do hospital.
Seria bom prevenir os operários que trabalharão nessa obra. Reportagens, nem pensar. A serpente odeia fotografias. Os curiosos devem ficar bem distantes. Não vamos perturbá-la. Nossa Catedral está tão bonitinha, podem até deixarem de construir a nova.
Concluiu Nhô Terêncio bastante temeroso.




























Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

RESUMO DA OBRA "VÁRIAS HISTÓRIAS", DE MACHADO DE ASSIS

Joaquim Maria Machado de Assis nasceu em 21 de junho de 1839, na cidade do Rio de Janeiro. Filho de família pobre e mulato, sofreu preconceito, e  perdeu a mãe na infância, sendo criado pela madrasta. Apesar das adversidades, conseguiu se instruir. Em 1856 entrou como aprendiz de tipógrafo na Tipografia Nacional. Posteriormente atuou como revisor, colaborou com várias revistas e jornais, e trabalhou como funcionário público. Foi um dos fundadores da Academia Brasileira de Letras. Algumas de suas obras são Memórias Póstumas de Brás Cubas, Quincas Borba, O Alienista, Helena, Dom Casmurro e Memorial de Aires. Faleceu em 29 de setembro de 1908.
Contexto Histórico
Várias histórias foi publicado em 1896, fazendo parte do período realista de Machado de Assis. Os contos da obra são profundamente marcados pela análise psicológica das personagens, além da erudição e intertextualidade que transparecem, como por ex., referências à música clássica, a clássicos da literatura, bem como a histórias bíb…

Lendas de Guarapuava

Por Elis Oliveira
Há quem acredite que Guarapuava é uma cidade permeada por lendas. Quem nunca ouviu alguém contar a sua versão para a lenda da Lagoa das Lágrimas, um dos lugares mais visitados da cidade, construída por volta de 1964 a 1968, ou a lenda da Capelinha do Degolado, muito conhecida pela região, que foi até tema de um programa de televisão no ano de 2010. Também tema lenda do Baile das Feias, sobre a passagem das tropas de Gumercindo pela nossa cidade, conta-se que no tempo dos maragatos da Revolução Federalista,Guarapuava,como outras cidades do Paraná, sofreram por fazer parte da rota das tropas que vinham do Rio Grande do Sul nessa época. Isso aconteceu por volta do ano de 1894 quando houve a fuga desses revoltosos. Segundo a lenda, a coluna de Juca Tigre e do Coronel Sancheseram era composta  de quinhentos homens que passaram por dentro da cidade para abstecerem-se de proventos, saqueando fazendas, levando animais e suprimentos e também cometendo grandes bárbaries amedron…

Pintores Paranaenses

A partir do século XIX, a pintura passou a se desenvolver no Paraná, incentivada por pintores como o imigrante norueguês Alfredo Andersen, e Guido Viaro, o segundo vindo da Itália. Ambos dedicaram-se ao ensino das artes visuais, além de pintarem suas obras inspiradas principalmente nas paisagens e temas do cotidiano paranaense. Responsáveis também pela formação de novas gerações de artistas no estado, como o exemplo de Lange Morretes, Gustavo Kopp e Theodoro de Bona, todos nascidos no Paraná.
Alfredo Andersen, apesar de norueguês, viveu muitos anos em Curitiba e Paranaguá, e ainda hoje é tipo como o pai da pintura paranaense. Foi ele o primeiro artista plástico atuar profissionalmente e a incentivar o ensino das artes puras no estado. Ele se envolveu de forma muito intensa com a sociedade paranaense da época em que viveu, registrando sua história e cultura. Rogério Dias, outro grande exemplo, sempre foi autodidata, sua trajetória artística tem sido uma soma de anos de paciente e inc…